enigmas…

no começo de “a divina comédia”, você vai perceber: parado diante da pantera, dante revela medo e terror. muda de curso, penetrando a selva selvagem que todo mundo conhece. quando morei na rua altino arantes, ribeirão preto, lá no fim dos anos 1960 e começo dos 70, um cachorro chamado roque nos atazanava a vida…pelo menos a minha, o mais medroso da família e, por isso, caçula. o cachorro era um sabujo, preto e branco, da vizinha da esquina… um merecia o outro, na verdade. ele era chato, latia, avançava, talvez quisesse brincar, mas meu cérebro de criança insistia em fazer dele uma fera épica. e o terror se apossava de mim, o que me fazia correr e ver triplicar meus pesadelos, à noite. eu e meu irmão renato éramos pequenos e de pouca idade, algo entre cinco e sete anos pra cada um. desde então, o cachorro sempre me foi mau sinal. nesse mesmo período da infância, já nos primeiros anos da vida escolar, eu voltava a pé da escola, acabei mudando de calçada por conta de uns três cães de rua e perdi o rumo de casa… vizinhos e irmão me reencontraram, depois de muitos minutos de tensão. o caso foi esquecido, mas não os cães…

Sobre carneiro

letradeletra é heterônimo [ carneiro ] professor, escritor, vlogger, cozinheiro e lunático
Esse post foi publicado em bichos, literatura e marcado , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s