limbo

laerte cansado soldado

no “purgatório”, segundo livro de “a divina comédia” (dante), o canto 3 traz uma passagem curiosa e triste, como aliás, ocorre em toda essa parte, uma das mais surreais e interessantes do livro todo.
depois de conversarem com catão, senador romano (séc II a.c.), virgílio confessa que aos humanos é dado apenas aceitar as coisas como existem, como são, ao invés de procurar saber-lhes as razões. cita platão e aristóteles que, de fato, foram influência para o trabalho do próprio virgílio. esses pensadores, assim como outros, ainda estão no limbo. nesse momento da reflexão, o parceiro de dante fica emocionado, baixa a fronte. está triste. limbo, aliás, lugar onde está o próprio poeta latino. quando ele fala em “aceitar como são” não creio seja pensamento dele mesmo, virgílio, mas uma constatação, dentro do mundo de deus e diabo, o que, nada, nada são a mesmíssima coisa.
vejam o terceto fatídico, no canto 3:

Ó gente humana! Que te baste o ‘quia’!
Pois se tivesses tudo penetrado
Mister não fora o pato de Maria!    

algo como: se esses pensadores tivessem alcançado tudo, todo o conhecimento, então, não seria necessário o nascimento do filho de maria. 
quia” significa “aquilo que é” – nota de cristiano martins, tradutor do poeta.
no século 13, quando viveu dante, talvez fosse uma explicação possível para a condenação de que foram vítimas, aristóteles e outros de seu tempo, via pensamento católico. quem recupera, mesmo que de modo enviesado, esse pensador grego, é tomás de aquino, no mesmo século 13.

não é de se espantar que a normalidade vigente nos tenha imposto igual juízo. ia escrever “pena”, risquei. deixe “juízo”, aqui, igual a destino. ou seja, joga-se no limbo quem parece ter mais argumento que o outro… o fato do outro existir com um tanto mais de brilho do que a normalidade é senha para sua destruição. depósito da raiva e das frustrações do outro. 
na nossa via, selva selvagem, existe um tanto de desesperança sim porque a realidade é cruel. então, nega-se a realidade para que se possa suportá-la. é um tanto paradoxal, mas vai ficar assim mesmo, não vou perder tempo explicando tudo. poucos — ou ninguém — são os que acenam com gesto para ajuda. o que mais há é punição, condenação e esquecimento.
o desgosto de virgílio é sintomático. compreensível: olhar adiante e ver gente tão ou mais legal que você apenas ganhar o limbo, é de doer. gente que pregou pesquisa, entendimento do mundo, visão geral das coisas que existem…. todos no limbo. no fim da idade média, como já disse, era até compreensível. mas hoje? 

 

Sobre carneiro

letradeletra é heterônimo [ carneiro ] professor, escritor, vlogger, cozinheiro e lunático
Esse post foi publicado em amor, literatura e marcado , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s